Publicidade
bemestar

, ,

Descubra 10 tipos diferentes de Yoga

Saiba quais são eles, escolha o seu preferido e inspire-se a inserir o Yoga no seu dia a dia
postado por jornalismo em   22/11/2016

Por Vanessa Mantuani

Portrait of happy woman meditating with hands joined and other people

Imagem: Divulgação/Doutíssima

Apesar de milenar, a prática do Yoga vem ganhando cada vez mais adeptos por conta de seus benefícios comprovados à saúde física e mental. Ao longo do tempo, o Yoga adaptou-se a necessidades do momento presente, da época ou da cultura específica, independente da região. Assim, foram criados diferentes métodos inspirados em ensinamentos de mais de 5 mil anos. Todos com um objetivo em comum: aspirando proporcionar uma cultura de paz.

1) Hatha Yoga, a palavra “Hatha” deriva das sílabas ha, sol, e tha, lua, que unidas formam a fusão dos “aparentemente” opostos, do masculino e feminino, do quente e frio; no entanto a palavra “Hatha” também significa força/forte, o que nos leva a ver a Hatha Yoga como uma disciplina altamente competente de aperfeiçoamento humano, que há milhares de anos desperta vários de nossos potenciais. Como exemplo, alguns deles são: a disciplina, a compaixão, a saúde, a capacidade de dominar-se, o controle racional sobre as emoções e desejos, entre outros. Resumindo: Hatha Yoga pode ser chamado de “yoga da fortaleza interior”.

2) Bhakti Yoga prática devocional onde há entrega e abertura total de qualquer ideia de separação, onde a pessoa empenha-se em ver divindade em todas as criaturas, em todas as coisas e em si mesma como parte do todo. Devoção significa estar num estado de completa entrega. É o desejo de servir, acompanhado de amor e gratidão. Um pensamento que traduz: “O amor é incondicional. Reconhecer esse amor e refleti-lo é devoção”.

3) Karma Yoga é o Yoga da ação sem interesses. A prática da ação sem esperar por seus frutos liberta do medo e do pesar. Ficando distanciado dos resultados e mantendo o equilíbrio seja em face do sucesso ou do fracasso. O praticante de Karma Yoga deve se libertar da ambição, do desejo, da raiva e do egoísmo. Deve ter um grande coração, amar a sociedade com todos os tipos homens e seres diversos. Ao praticar a Karma-Yoga, essas qualidades vão se tornando parte da pessoa.

4) Mantra Yoga é um  termo em sânscrito que significa “controle da mente”. Onde a forma de concentração é feita através de recitação de uma sílaba (como a ॐ = OM) ou repetição de cânticos, normalmente em sânscrito. Essa prática estimula aspectos específicos na percepção consciente, ampliando ou redirecionando a mente a um propósito. Assim definimos o Mantra Yoga como ferramenta para o controle da mente.

5) Tantra Yoga a palavra Tantra significa teia (como a teia de aranha), tecido, rede. Indica a ideia de fios entrelaçados, unidos e formando um todo. Representa o conceito que todas as coisas do universo estão conectadas, entrelaçadas, unidas entre si que forma uma união íntima de todas as coisas (divino e mundano).No ocidente, o nome Tantra está associado ao sexo. A tradição do Yoga nunca considerou o sexo como algo errado: os objetivos humanos listados nos textos clássicos indicam que as pessoas podem buscar a libertação espiritual (moksha), a ação correta no mundo (dharma), riquezas (artha) e prazer (kama). O famoso manual indiano sobre práticas sexuais, Kama Sutra, é um texto que fala sobre os modos de obter prazer – mas não é um texto tântrico.Sexo não é o centro do Tantra, o ponto central é obter uma transformação de nosso modo de ver a realidade, através de práticas que podem utilizar aquilo que desperta emoções e sensações muito fortes. A filosofia tântrica é ensinada em muitos textos antigos, como os Puranas.

6) Yoga do Riso ou Lachyoga é baseado em dados científicos. Quando rimos liberamos no organismo substâncias bioquímicas, como: serotonina – que atua como um antidepressivo natural e endorfinas – hormônios que aliviam a dor e provocam uma sensação de bem-estar e o cérebro não distingue o riso falso do riso real. O lema é:  “Finja até que seja real” ou até que torne-se assim um hábito que pode ser usado no dia a dia. O Yoga do Riso teve origem nos autotestes do jornalista de ciência e ativista da paz: Norman Cousins. Depois foi espalhada em todo o mundo por Madan Kataria, um praticante de yoga e professor de medicina de Mumbai. Juntou as técnicas de yoga com exercícios de riso. “Nós não rimos porque estamos felizes – estamos felizes porque nós rimos!” Madan Kataria.

7) Acroyoga, existe há 20 anos, com 2 escolas tradicionais. Uma em Montreal, liderada por Jessie Goldberg e Eugene Poku. Esta escola reúne acrobacia, yoga e dança. E, a outra é na Califórnia de Jason Nemer e Jenny Klein, as práticas reúnem  acrobacia, Yoga e massagem tailandesa. Ambas oferecem certificações de ensino. A prática promove força, flexibilidade, consciência corporal, prazer físico e criatividade, desapego, entrega e responsabilidade (na prática da Acroyoga, ninguém está no controle e ambos têm a responsabilidade e a entrega um pelo outro) e conhecimento de técnicas de massagem. Percebo que é uma maneira de meditar ou estar plenamente atento no momento presente, porque não tem como estar em outro lugar quando se posiciona nessa técnica.

8) Doga (Dog Yoga) sim, é yoga com cachorro! Doga não é apenas sobre atividade física. É a união entre cão e dono. A ideia de ter o seu cão incluído na sua prática de yoga é permitir-se observar “a sua atitude” em relação a si mesmo e todos os seres vivos e obter uma visão mais profunda e compreensão dos padrões de comportamento que surgem da mente. Além dos benefícios físicos do praticante humano e do cachorro que muitas vezes é agitado de mais (quer atenção) ou é debilitado, idoso e a prática contém: atos de meditação, massagem suave e alongamento, acupuntura canina e cantar também são conhecidos por ter lugar dentro da rotina doga.

9) Iyengar é um método altamente preciso e exigente criado por B.K.S. Iyengar, com base nos ensinamentos do seu mestre, Sri T. Krishnamacharya, de Mysore, sul da Índia. Uma das características mais marcantes deste método é o conceito de alinhamento. Desenvolver a intuição de como o alinhamento trabalha pode despertar experiências escondidas no corpo, tornando conscientes os condicionamentos que moldam as nossas estruturas musculares. Nesse plano, o alinhamento funciona para abrir caminhos para que a energia circule. Desta forma, buscar o alinhamento profundo pode comparar-se à tarefa de lapidar um diamante.

Ashtanga Vinyasa Yoga é um sistema, originário do sul da Índia e ensinado pelo mestre Sri K. Pattabhi Jois.  Está baseado em seis séries de ásanas (série de exercícios) progressivamente mais exigentes, nas quais cada praticante trabalha em seu próprio ritmo, através de uma técnica chamada vinyasa, que consiste em coordenar respiração e movimento como uma dança. O Ashtanga Vinyasa Yoga passa por ser o mais exigente, no plano físico, de todos os métodos que se conhecem hoje em dia. Aconselha-se ter um preparo físico razoável antes de começar. Prepare-se para transpirar.

10) Power Yoga nasceu nos Estados Unidos como uma adaptação mais acessível do Ashtanga Vinyasa Yoga para aqueles que não querem fazer uma prática tão exigente, mas que fosse ainda bem intensa. Através da respiração e da execução de posturas combinadas com movimento, o praticante desenvolve resistência, força, flexibilidade, consciência respiratória, concentração e vitalidade. Alguns professores preferiram adotar o nome Dynamic Yoga, ministrando uma prática com características similares.

Yoga Dance é a combinação da consciência do Yoga com a liberdade da dança. Yoga Dance também tem mais de 20 anos. É uma prática nova no Brasil, mas muito difundida na Europa e EUA. É uma abordagem holística para o movimento e dança. Também teve inspiração no Qi Kung (técnica chinesa de treino e desenvolvimento da energia – do corpo humano), dança moderna e dança Africana. A técnica faz uso dos Ásanas (posturas do Yoga) sem a preocupação da permanência, sem vivenciar a parte estática das posturas. Procurando estar presentes e conscientes da respiração. E é importante não ter preocupação de certo ou errado, feio ou bonito. Acredito que isso é possível em uma prática sem espelhos para liberar o julgamento. Os benefícios são: equilíbrio físico, mental e emocional, entusiasmo, confiança, coragem e autoestima, um corpo saudável com mais consciência de alinhamento, flexibilidade, equilíbrio e coordenação.

 

Vanessa Mantuani é instrutora de yoga, estudou sutras e treinamentos meditativos com mestres da Ordem Chinesa Fo Guan Shan da escola Ch’an, continua participando de Retiros de Estudos Vajrayana Tibetano, no CEBB. Faz parte do Projeto Meditando com as Crianças. Idealizadora dos projetos: RoteiroZen.com.br e Yogue.com.br, acredita na cultura de paz e é movida pelo amor.


Deixe sua opinião

Os comentarios desta página não representam a opinião do Portal Acontece São Bento.

Publicidade